FURG DEBATE: FAMÍLIAS, GÊNEROS, DIVERSIDADES E LAICIDADE DO ESTADO

 

O evento "FURG debate: famílias, gêneros, diversidades, laicidade do estado", é uma promoção da Universidade Federal do Rio Grande - FURG com o apoio da Secertaria Municipal de Educação de Rio Grande - SMEd, e tem como objetivo contribuir para a construção/produção de conhecimentos acerca de temas em destaque na contemporaneidade como famílias, gêneros, diversidades, laicidade do estado. Para debater tais temáticas que hoje são destaques na sociedade, foram convidados/as palestrantes de diferentes instituições de ensino, a fim de potencializar as discussões.

Para realizar a inscrição acesse esse link:  http://www.sinsc.furg.br/site/furgdebate/menu/inscricoes


NOVA EDIÇÃO DA REVISTA DIVERSIDADE E EDUCAÇÃO - ONLINE

A Revista Diversidade e Educação é uma revista de divulgação científica semestral do Grupo de Pesquisa Sexualidade e Escola do Instituto de Educação da Universidade Federal do Rio Grande - FURG. Publica artigos e relatos de experiências educativas nas temáticas de corpos, gêneros, sexualidades e relações étnico-raciais, além de resenhas de livros e filmes. A revista tem como foco textos que tratem dessas temáticas no espaço escolar e em outros espaços educativos. Tem como público-alvo estudantes, professores/as, pesquisadores/as da área da educação, além do público interessado na área em geral.

 

A edição de número cinco, referente ao primeiro semestre de 2015, teve como temática central Corpos. A entrevistada da edição foi a professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Silvana Goellner, que fala sobre o corpo e suas correlações com gênero e sexualidade. Essa edição já está disponível em: http://revistadiversidadeeducacao.furg.br/.


O periódico possui as seções “Diversidade em Debate” e “Cotidiano da Escola” as quais refletem sobre as temáticas de cada edição da Revista. A primeira é dedicada a problematizações no campo acadêmico, enquanto que a segunda busca divulgar experiências de profissionais da educação em sala de aula. Também oferece duas seções voltadas à reflexão sobre as produções culturais, as representações sociais e potencialidades pedagógicas: “Artefatos Culturais”, seção voltada à publicação de resenhas de filmes e livros sobre corpo, gênero e sexualidade; e “Espaços Educativos”, dedicada à discussão sobre o potencial pedagógico da utilização de artefatos culturais em sala de aula.

 

O número seis da Revista Diversidade e Educação, referente ao 2º semestre de 2015, terá como temática Infâncias. Estará recebendo submissões - artigos, resenhas, sinopses e relatos de experiências - até 31 de outubro de 2015.

VIDEOCURSO  EDUCAÇÃO PARA A SEXUALIDADE: DOS CURRÍCULOS ESCOLARES AOS ESPAÇOS EDUCATIVOS

 

Começa amanhã, dia 25 de agosto, as atividades do Videocurso “Educação para a Sexualidade: dos currículos escolares aos espaços educativos”, promovido pelo Grupo de Pesquisa Sexualidade e Escola – GESE, Instituto de Educação – IE e Secretaria de Educação a Distância - Sead.

 

O Videocurso é uma nova estratégia que o GESE está implementando através das tecnologias digitais da informação e comunicação. Assim, o videocurso é ofertado na modalidade online com apenas um encontro presencial, o Seminário Integrador, que acontecerá no dia 01 de dezembro de 2015, juntamente com a III Mostra Cultural sobre Diversidade Sexual e de Gênero.

 

O Videocurso tem como objetivo contribuir para a formação de profissionais da educação, por meio de videoaulas que tratam das temáticas de corpos, gêneros e sexualidades nas escolas e nos diversos espaços educativos. Dessa forma, buscamos fomentar discussões que visem a promoção, o respeito e a valorização da diversidade de gênero e sexual, colaborando para o enfrentamento da violência sexista e homofóbica.

 

O Videocurso está organizado em dez (10) videoaulas que tratam de temáticas que estão presentes no cotidiano escolar e em outros espaços, tais como: os gêneros, as sexualidades, sexting, aids, mídias, violência sexista e homofóbica, entre outros temas.

 

A primeira oferta do videocurso contou com a inscrição de mais 730 interessados/as. Nesta oferta, foram destinadas 100 vagas a profissionais da educação de escolas públicas e alunos/as de graduação de universidades públicas.

 

Para conhecer mais sobre o videocurso acesse o site: www.videocursosexualidade.com.br . Nosso videocurso também conta com uma página no Facebook (www.facebook.com.br/videocursogese)

 

Maiores informações entra em contato através do e-mail: contato@videocursosexualidade.com.br

Carta Pública de Apoio à Conferência Municipal de Educação e  de desagravo à Câmara Municipal de Vereadores/as sobre o Plano Municipal de Educação

 

 

 

O   Instituto   de   Educação   da   Universidade   Federal   do   Rio   Grande –FURG, corresponsável pela formação de professoras/es para a educação básica, ensino superior e  pós-graduação,  ao  longo  de  sua  história,  consolidou-se  como  espaço  de  produção, socialização  e  divulgação  de  conhecimentos  e  ações  em  diferentes  temáticas  que envolvem  a  educação,  dentre  elas,  a  gestão democrática,  as  relações  de  gênero  e sexualidades.

Com  base  nas  pesquisas  produzidas  no  Instituto  de  Educação  por  pesquisadoras/es  de reconhecimento   nacional   e   internacional,   reiteramos   a   importância   dos   espaços democráticos,  a  exemplo  da  Conferência  Municipal  de  Educação,  para  elaboração  das diretrizes   políticas   e   curriculares   da   educação.   Diante   desse   fato,   declaramos publicamente  nosso  apoio  e  solidariedade  às/aos  professoras/es  e  aos  movimentos sociais  lideradas/os  pelos  Sindicato  dos  Trabalhadores  em  Educação  do  Rio  Grande (SINTERG)  e  o  Centro  dos  Professores  do  Rio  Grande  do  Sul  (CPERS)  que,  nos  dias 22  e  23  de  junho  de  2015,  viram  nossas  reivindicações  apresentadas  à  Câmara Municipal  de  Vereadores/as  para  a  educação  municipal,  por  meio  do  Plano  Municipal de Educação, serem alteradas em nome do fundamentalismo religioso.

 

Não  obstante,  apresentamos  nosso  desagravo  à  Câmara  Municipal  de  Vereadores/as que,  usando  de  policiamento,  restringiu  o  acesso  ao  Plenário  que  aprovou  o  Plano Municipal  de  Educação  suprimindo  os  parágrafos  que  garantiam  a  importância  da abordagem de gênero e sexualidades nos currículos escolares da educação municipal.

 

As  decisões  instituídas  de  forma  democrática  na  Conferência  Municipal  de  Educação, sobre  a  inserção  nos  currículos  de  temas  sobre  as  diferentes  formas  como  nos constituímos  mulheres  e  homens  e  construímos  nossos  laços  familiares,  precisam  ser respeitadas  pelo  Poder  Legislativo  do  município,  sob  pena  de  continuarmos  nos configurando como uma das cidades gaúchas que se destacam nos índices de violência doméstica, abuso e prostituição infantil e homofobia.

 

Defendemos  o  Estado  Laico  e  os  princípios  democráticos  (contidos  na  Constituição Brasileira) que balizaram a Conferência Municipal de Educação, da qual fizemos parte, e que resultaram no Plano Municipal de Educação. Lamentavelmente, o documento foi alterado  pelos/as  vereadores/as  na  sessão  do  dia  23  de  junho,  usando  de  força  policial contra os movimentos sociais que defendiam sua aprovação na íntegra. Compreendemos que o modo como foi conduzido o debate do Plano Municipal de Educação pela Câmara de Vereadores/as  fere  os  princípios  constitucionais  de  laicidade  e  de  direitos  humanos que devem reger a Educação Brasileira.

 

 

 

24 de junho de 2015

 

Instituto de Educação –IE

 

Universidade Federal do Rio Grande –FURG

Subcategorias