Na atualidade somos seduzidos por vários estilos de vida que nos são apresentados pelas novas tecnologias – internet, biomedicina, cirurgias plásticas, etc. – nos possibilitando ampliar nossas experiências, corporalidades e identidades. Com isso, os reconhecidos marcadores identitários, a exemplo dos sexuais, ainda que produzam assimetrias, eles por si, já não servem para legitimar e confirmar as expectativas de nascimento e, tampouco, para estabilizar os sujeitos frente às identidades disponíveis. Dialogando com os Estudos Culturais nos propomos a investigar os discursos sobre sexualidade e seus desdobramentos em torno de gênero, classe e raça que produziram corporalidades/identidades e interpelaram com seus interesses os Projetos Políticos Pedagógicos (PPP) e os currículos praticados em escolas da educação básica da Cidade de Rio Grande- Rio Grande do Sul. Para tanto, esta investigação se desenvolverá com professores e professoras da educação básica a partir de três abordagens metodológicas: a aplicação de entrevistas analíticas, execução de grupos focais e análises de documentos. Com elas, buscaremos dar ênfase às identidades (gêneros, raças/etnias, sexuais, classes e profissionais) e como elas produzem tensões e acordos nos PPP e nos currículos praticados. Com as entrevistas, os grupos focais e os documentos se buscará construir um corpo de dados, que posteriormente será discutido com base nas análises discursivas de perspectiva foucaultiana. Esperamos que o projeto proposto apresente dados à comunidade científica e escolar sobre as questões políticas e educacionais relativas a sexualidade e seus desdobramentos e arranjos com gênero, raça/etnia e classe. A análise e as considerações dos dados obtidos permitirão formular propostas que poderão auxiliar a definição de outras ações nas escolas pelos professores e professoras, além dos gestores e gestoras da educação. Temos a expectativa de contribuir para a consolidação do Grupo de Pesquisa Sexualidade e escola- GESE, viabilizando assim a produção e o intercâmbio científico, acenando à possibilidade de ampliação dessa experiência em outros contextos educativos nacionais e internacionais.


Financiador: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico-CNPq

   Este projeto de pesquisa terá como propósito investigar as estratégias que são produzidas nas escolas da Educação Básica para tornar “normal” o corpo “anormal”, a partir das narrativas dos/as adolescentes. O referencial teórico está baseado nos Estudos Culturais, em suas vertentes pós-estruturalistas e em algumas contribuições de Foucault. Nesse sentido, os estudos do Grupo de Pesquisa Sexualidade e Escola estão fundamentados em posicionamentos que utilizam o conceito de corpo e de gênero como construções sócio-históricas em comparação com as distinções baseadas no sexo, o que vale dizer que as corporeidades não são constituídas propriamente pelas características biológicas, mas são o resultado de tudo o que se diz ou se representa dessas características. Isso não significa uma negação à biologia, mas ao contrário, visa a enfatizar sua construção de caráter social e histórico.

Financiador: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico-CNPq

    Este projeto de pesquisa terá como propósito analisar e discutir com os/as profissionais da educação e licenciandos/as como as feminilidades e as masculinidades são produzidas nos espaços educativos. O referencial teórico está baseado nos Estudos Culturais, em suas vertentes pós-estruturalistas e em algumas contribuições de Foucault. Nesse sentido, os estudos do Grupo de Pesquisa Sexualidade e Escola estão fundamentados em posicionamentos que utilizam o conceito de gênero como uma construção sócio-histórica em comparação com as distinções baseadas no sexo, o que vale dizer que as masculinidades e as feminilidades, ao contrário do que algumas correntes defendem, não são constituídas propriamente pelas características biológicas, mas são o resultado de tudo o que se diz ou se representa dessas características.

Financiador: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul-FAPERGS

   Este projeto de pesquisa terá como propósito investigar como os profissionais da educação da Região sul do Estado do Rio Grande do Sul (Rio Grande, São José do Norte, Santa Vitória do Palmar e Chuí) e as/os licenciandas/os da Fundação Universidade Federal do Rio Grande tratam das temáticas de corpos, gêneros e sexualidades nas escolas do Ensino Fundamental. Essa pesquisa visa a dar continuidade às atividades de ensino, pesquisa e extensão do Grupo de Pesquisa Sexualidade e Escola. Para tal, pautamo-nos no entendimento de que questões centrais no estudo dos corpos, dos gêneros e das sexualidades referem-se ao papel das culturas, dos sistemas de significação e suas relações de poder, uma vez que esses elementos sociais encontram-se implicados na constituição dos sujeitos, o que levou-nos a estabelecer, nesta pesquisa, algumas conexões com os Estudos Culturais, nas suas vertentes pós-estruturalistas, bem como com algumas proposições de Michel Foucault.

Financiador: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico-CNPq

   Frente aos discursos presentes nas escolas e em outras instituições sociais sobre tais temáticas, consideramos importante refletir sobre as mesmas na Educação Básica e Superior, de forma que possamos discutir e questionar os diversos discursos e práticas sobre algumas questões centrais, como as identidades, a diversidade sexual, a homofobia, as configurações familiares, os prazeres, os desejos, as doenças sexualmente transmissíveis, a Aids, os usos dos corpos. Nessa direção, este projeto de pesquisa terá como propósito: investigar as narrativas dos/as profissionais da educação e universitários/as LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais) sobre homofobia e suas implicações nas suas trajetórias acadêmicas e nos espaços escolares; e investigar as narrativas dos/as profissionais da educação e universitários/as que participaram do projeto Sexualidade e Escola: discutindo a diversidade sexual, o enfrentamento ao sexismo e à homofobia sobre as identidades sexuais e de gênero e homofobia no espaço escolar. O referencial teórico está baseado nos Estudos Culturais, em suas vertentes pós-estruturalistas e em algumas contribuições de Foucault. Nesse sentido, os estudos do Grupo de Pesquisa Sexualidade e Escola estão fundamentados em posicionamentos que entendem a sexualidade como uma construção histórica, social e cultural, que se constitui na correlação de elementos sociais presentes na família, na medicina, na educação, na religião, entre outras instituições, através de estratégias de poder/saber sobre os sexos.

Financiador: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico-CNPq